30 de dez de 2009

Você já fez sua inscrição?

Clique no cartaz para ampliar a imagem. Em breve estarei visitando as redações, assessorias etc. para divulgar o pós Edição em Jornalismo, que coordeno na Unisc.

23 de dez de 2009

Inscrições ao pós em Edição estão abertas

Escrevo para dizer que as inscrições ao pós Edição em Jornalismo, que coordenarei na Unisc a partir de abril de 2010, já estão disponíveis.

A idéia,como o nome sugere, é buscar a construção de uma compreensão teórico-conceitual do que representa a edição em jornalismo e, em especial, no que a função tem de viabilizadora do processo jornalístico como um todo.

O curso estabelece diálogos com formatos pouco observados quando o assunto é edição, caso das assessorias de imprensa, do webjornalismo e dos blogs e microblogs de natureza jornalística, para ficarmos em alguns exemplos.

Este curso destina-se a profissionais graduados em jornalismo e/ou profissionais que atuam ou desejam atuar em jornais, revistas, rádios, televisões, assessorias de imprensa, webjornais, blogues e microblogs de natureza jornalística na função de editor.

As inscrições seguem até o dia 14 de março de 2010. O início do curso é 9 de abril de 2010 e a duração de três semestres, com carga horária 360 horas.

Entre na página do pós por aqui.

Acompanhe as novidades também via twitter.

Livro discute comunicação e mobilidade

Repico, por relevante, post do Jornalismo Móvel, que por sua vez havia repicado do Carnet de Notes. Sobre o lançamento do livro "Comunicação e Mobilidade. Aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil". (Salvador, 2009)

O livro é organizado por André Lemos e Fabio Josgrilberg, e traz textos de Eduardo Pellanda, Sérgio Amadeu, Gilson Schwartz, Fernando Firmino, Lucas Bambozzi, Lucia Santaella, Fernanda Bruno, além dos organizadores.

Assim que tiver lido, comento o texto. A editora é a EDUFBA.

Abaixo texto da orelha:

O livro Comunicação e Mobilidade - Aspectos Socioculturais das Tecnologias Móveis no Brasil, organizado por André Lemos (UFBA/CNPq) e por Fábio Josgrilberg (Metodista, SP), oferece ao leitor uma coleção de artigos que traçam um panorama completo e atual da comunicação móvel no Brasil. Os artigos abordam diversas temáticas relevantes para a compreensão complexa do fenômeno, como a relação das tecnologias móveis de comunicação com o corpo, a cidade, a vigilância, a arte, o jornalismo, as mídias locativas e a inclusão digital. Os artigos foram originalmente publicados em inglês na revista eletrônica canadense "Wi - Journal of Mobile Media" (http://wi.hexagram.ca), em julho de 2009, e é a primeira contribuição brasileira no campo a ter uma projeção internacional.

A obra está inserida no contexto atual da computação móvel e ubíqua, oferecendo ao leitor uma visão geral do impacto das redes sem fio e dos telefones celulares no Brasil. Escrito pelos mais importantes pesquisadores do tema na área das ciências sociais aplicadas no país, o livro faz uma radiografia das múltiplas apropriações dos dispositivos móveis mostrando a sua influência nas relações sociais, econômicas, políticas e culturais. Comunicação e Mobilidade é leitura obrigatória para pesquisadores, estudantes de graduação e interessados em compreender os rumos e as perspectivas das tecnologias de comunicação móvel e seus usos no Brasil.

22 de dez de 2009

Último Enfoque Vila Brás de 2009

O Enfoque Vila Brás, cês sabem, é o jornal-laboratório de caráter popular da Unisinos que tive a honra de coordenar nos dois últimos anos, por meio da disciplina de Redação Experimental em Jornal.

Foi, sobretudo, uma experiência muito legal, à medida que, por meio do Enfoque - e do Blog Enfoque Vila Brás - pudemos experimentar, desde a sala de aula, esta nuança tão rica quanto incompreendida do jornalismo a que chamamos de Jornalismo Popular.

É o caso da edição de dezembro, a terceira do semestre de 2009/2, onde perguntamos aos moradores da Vila Brás, um dos núcleos mais carentes de São Leopoldo, como havia sido o ano de 2009 para eles.

O resultado, uma vez mais, ficou muito bacana.

Confira a edição em PDF por aqui.

Unicom acaba de sair do prelo

O segundo Unicom de 2009/2 acaba de sair do prelo, todo bonito, todo prosa.

Com isso, fechamos este ciclo, iniciado há alguns semestres, e nos preparamos para o novo projeto gráfico-editorial do jornal laboratório do curso de jornalismo da Unisc, que será trabalhado com a turma de produção em mídia impressa do próximo semestre.

Enquanto este dia não chega, entre por aqui para observar o grau de maturidade que os alunos da Unisc atingiram quando o assunto é reportagem.

Quem quiser uma cópia em papel pode apanhá-la sem custos no Curso de Comunicação Social – Jornalismo da Unisc, que fica no Bloco 15 – Sala 1506. O telefone é (51) 3717-7383. A Unisc se localiza na Avenida Independência, 2293, Bairro Universitário, em Santa Cruz do Sul. O CEP é 96815-900.

Os merecidos créditos: Editora, Emanuelle Dal-Ri; Sub-edição, Luana Rodrigues; Produção,Tatiane Lawish e Nairo Orlandi; Reportagem, Aline Silva, Álvaro Neuwald, Ana Paula de Andrade, Emanuelle Dal-Ri, Heloísa Poll, Luana Rodrigues, Maria Clara Reis, Nairo Orlandi, Pedro Garcia, Tatiane Lawisch, Tiago Garcia, Wesley Soares; Diagramação, Henrique Scherer, Larissa Griguc e Ana Paula de Andrade. Direção de arte, Henrique Scherer; Capa, Amanda Mendonça, Henrique Scherer e Maria Clara Reis.

Meus parabéns a todos.

21 de dez de 2009

Chão de giz

Incrível como esta música segue sendo relevante.

Dedico ela a você.

O Racionais MC's está se midiatizando?

A edição 39 da Rolling Stone chegou às bancas com uma surpresa muito legal. E com uma decepção na mesma proporção. Refiro-me à matéria Eminência Parda, com ninguém menos que Mano Brown, o líder do pra lá de bom Racionais MC's.

O muito legal fica por conta do repórter André Caramante e do fotógrafo Rui Mendes terem conseguido desentocar uma das figuras mais avessas à mídia do cenário musical brasileiro, à revelia do gênero. E terem realizado, com ela, total de 15 horas de entrevistas durante quatro encontros, mais sessões de foto e audiências de músicas inéditas.

O broxante fica por conta do fato de Mano Brown, pra quem não lembra, sempre ter dito que era contra a grande mídia, que não dava entrevista, que estava se lixando pra isso e pra aquilo e blá, blá, blá. No entanto, não há uma linhazinha sequer sobre o because da coisa; sobre o por que de ele ter ficado tanto tempo em silêncio e finalmente decidido falar. No máximo, ao final do segundo parágrafo, um prosaico "É a hora! Tenho coisas pra falar: querem me ouvir, vou falar."

Não que a matéria seja ruim, afinal é da RS que estamos falando, apesar da diagramação, como sempre pesada. O que vemos, nela, é uma espécie de "museu de grandes novidades", nas palavras de Cazuza, em que o Mano Brown reflete sobre seu caminho, sua vida, a dos que lhe são próximos e por aí afora.

Nada que não se saiba, nada que não se imagine.

Chato que sou, acho mesmo é que o líder dos Racionais se ligou no lance e se deu conta que ser conhecido com grana é ainda melhor que sê-lo por meio de cópias piratas nas bancas dos camelôs. E que, para isso, algum sacrifício é necessário.

Acho mesmo é que o Racionais MC's está se midiatizando, a exemplo do que já fez desde há muito MV Bill, mas esta é outra história.

20 de dez de 2009

Qualidade da informação jornalística

Livro lido, livro comentado/sugerido.

A sugestão, desta vez,é A qualidade da informação jornalística: do conceito à prática, de Carina Andrade Benedeti (Insular,2009). Trata-se do segundo volume da série Jornalismo a Rigor.

O que está posto aqui, como o nome sugere, é uma tentativa de compreensão do conceito de qualidade aplicada ao jornalismo, por meio de dois viéses: de natureza teórica-conceitual (Parte I - Fundamentos conceituais da qualidade da informação jornalística) e pela observação empírica (Parte II - A prática como fonte de respostas).

Leitura necessária, em especial quando nos damos conta que a qualidade usualmente é tratada como uma questão menor no campo acadêmico.

Mais que isso, só lendo o livro.

Carina Andrade Benedeti é mestre em Comunicação Social – linha de pesquisa Jornalismo e Sociedade – pela Universidade de Brasília (UnB) e graduada em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo – pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Em 2007, recebeu o Prêmio Adelmo Genro Filho pela dissertação de mestrado publicada neste livro.

19 de dez de 2009

Outro festerê bem bacana

Outro festerê bem bacana se deu ainda na semana passada, desta vez em Santa Cruz do Sul, por ocasião do encerramento da disciplina de Produção em Mídia Impressa, que leciono na Unisc, responsável pelo jornal-laboratório Unicom.

Churrascão pra lá de animado na casa da Ana Paula Andrade (na foto, com o litrão de coca-cola na mão).

Quem é quem na foto: com o espeto de costela, Álvaro Newald. Depois, Wesley Soares (o assador); Emanuelle Dal-Ri. Na fila do meio, Larissa Gricuc, Aline Santos, Tati Lawish e a já referida Ana Paula. Em cima, eu; Luana Rodrigues e Tiago Mairo Garcia. A foto, creio, é de Nairo Orlandi.

Maior orgulho desta galera!

Uma homenagem de respeito

Ganhei o cartaz abaixo ontem à noite, durante jantar-despedida em São Leopoldo com alunos e colegas da Unisinos, onde lecionei nos dois últimos anos.


A homenagem é uma recriação em cima da capa do jornal-laboratório Enfoque Vila Brás, sob minha responsabilidade nos últimos dois anos.

O fato é que moçada da disciplina de Redação Experimental em Jornal, responsável pelo Enfoque, conseguiu me deixar pra lá de emocionado, mas, sobretudo, feliz, agradecido.

Parto da Unisinos para me dedicar exclusivamente à Unisc, onde assumo novas funções, mas levo comigo a saudade desta galera que soube honrar tão bem e com tanta vontade o ser-se jornalista desde a etapa de formação.

A todos vocês, portanto, meu muito obrigado. A gente se vê por aí.

15 de dez de 2009

Coisas de Pedrinho

Pedro, meu filho, anda impossível no alto de seu 1,4 ano.

Ontem, em casa, derrubou o pinheiro de Natal. Que ele mesmo ajudou a montar, diga-se (a foto abaixo foi feita pela Fabi).

Depois, na rua, jogou o boné dentro do laguinho que existe na praça aqui no Centro de Santa Cruz, perto de onde moramos. As carpas, cujas bocas esperavam migalhas, estão em estado de choque até agora.

Hoje pela manhã, segundo a Fabi, antes de sair à rua para passear, o moçoilo jogou a chave da casa pela janela.

Mais tarde, no Boticário, atirou um frasco de perfume no chão, que, evidentemente, quebrou em 20 mil pedaços e deixou a mãe do rapaz, digamos assim, visivelmente constrangida.

Pedro dorme agora. A tarde lhe espera, sorridentemente azul.

14 de dez de 2009

Mídia e identidade gaúcha - lançamento

A amiga e colega de Unisc Ângela Felippi está convidando a todos para o lançamento do livro que organizou em conjunto com o Vítor Necchi (Pucrs) - Mídia e Identidade Gaúcha (Edunisc, 2009).

O lançamento irá ocorrer dia 19 de dezembro, sábado, na Livraria e Cafeteria Iluminura, Santa Cruz do Sul, às 11 horas.

O livro conta com 12 participantes, com suas produções acadêmicas relacionadas à produção simbólica da identidade gaúcha em diversos suportes - jornal, rádio, cinema, televisão, humor, publicidade, internet. O prefácio é de Nilda Jacks (Ufrgs) e o posfácio de Ana Carolina Escosteguy (PUC).

Além delas, como autores de artigos na obra estão Ada Cristina Machado Silveira (Ufsm), Dóris Fagundes Haussen (Pucrs), Daniela Hinerasky (Unifra), Liline Dutra Brignol (Unifra), Flavi Ferreira Lisboa Filho (UFPampa), Mônica Pieniz, Pauline Neutzling Fraga, Valton Neto Chaves Dias,além dos organizadores, Ângela Felippi (Unisc) e Vitor Necchi (Pucrs).

12 de dez de 2009

Jornalismo, fatos e interesses

A dica de leitura de hoje vai para Jornalismo, fatos e interesses: ensaios de teoria do jornalismo (Insular, 2009), de Wilson Gomes, livro que inaugura a série Jornalismo a Rigor, dirigida por Eduardo Meditsch.


A leitura do livro é necessária (e prazeroza, diga-se) já a partir do gênero que se utiliza para discorre sobre o tema proposto: ensaio. Com isso, permite ao autor um posicionamento mais claro em relação ao que está escrevendo, tornando o texto, digamos assim, mais orgânico, com tudo o que isso possa significar.

É o que se observa, por exemplo, em especial na terceira e quarta partes do livro, que abordam, respectivamente, os temas "Jornalismo e interesse público" e "Opinião pública e jornalismo". Nelas, Gomes levanta questões tão importantes quanto inquietantes, sobretudo atuais, como, por exemplo, se o interesse público (ainda) é o princípio fundamental do jornalismo.

Mais que isso, como de costume, só lendo o livro.

Em tempo: Wilson Gomes é Professor Titular de Teoria da Comunicação da Universidade Federal da Bahia e pesquisador (CNPq-1B) do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas daquela universidade.

11 de dez de 2009

Sobre fotografias e fotógrafos

Cheguei e esta por meio de @afmarco, by twitter.

Sobre o que deveria estar nos livros de fotografia.

(Clique na imagem para ver melhor.)

9 de dez de 2009

Alunos da Unisc visitam Gazeta do Sul

Fechamos hoje o semestre na disciplina de Fundamentos de Jornalismo Impresso da Unisc com uma visita ao Grupo Gazeta do Sul, de Santa cruz do Sul.

Foi muito legal porque a moçada que está se iniciando das lides jornalísticas pôde ver de perto como funciona um jornal desde sua concepção até a impressão.

Fizemos mais: visitamos, também, a Rádio Gazeta, o setor de publicações especiais e o portal GAZ.

Uma manhã muito produtiva, enfim, competentemente ciceroneada pelo jornalista Ricardo Düren e pela relações públicas do Grupo Gazeta, Emily Gamartz.


Na foto, não necessáriamente nesta ordem, Andrei Oestreich, Carolina Schmidt, Cassiane Rodrigues, Débora Kist, Gabriela Meller, Jonara Raminelli, Juliana Eichwald, Juliana Spilimbergo,Letícia Pereira, Lucas Bohn, Marília Gehrke, Maurício Beskow, Mirian Flesch, Rui Borgmann, Vanessa Costa de Oliveira e eu.

ATUALIZAÇÃO:
A notícia foi publicada na Gazeta do Sul de quinta-feira, 10 de dezembro.

5 de dez de 2009

Metamorfoses 2 é lançado em Santa Cruz

O lançamento do livro Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009) em Santa Cruz, realizado na manhã deste sábado, na Livraria e Cafeteria Iluminura foi muito bacana.

Em especial pela presença de tantos amigos queridos, como sugerem os registros abaixo.

Com isso, encerramos a fase 2009 de lançamentos do Metamorfoses 2 e vamos aos poucos nos preparando para 2010, que logo logo estará entre nós e que, com certeza, promete.

O Metamorfoses Jornalísticas 2 foi organizado por mim e por Fernando Firmino da Silva.

Acima, da esquerda para a direita, as amigas e alunas da Unisc Vanessa Kannenberg e Ana Cláudia Schuh.

À minha esquerda, Letícia Mendes Pacheco; à direita, Sancler Ebert, amigos e ex-alunos da Unisc, respectivamente repórteres de Zero Hora e Gazeta do Sul.

4 de dez de 2009

A escola de jornalismo

A sugestão de leitura da semana vai para o livro "A escola de jornalismo - a opinião pública", de Joseph Pulitzer (Insular, 2009), cuja leitura acabei há pouco.

O texto é importante, em primeiro lugar, porque é a primeira vez que é traduzido para o vernáculo, mas também porque representa uma vigorosa defesa do ensino superior em jornalismo a partir de ninguém menos que Joseph Pulitzer. Trata, portanto, de formação em jornalismo, o que o torna ainda mais indispensável.

Contextualizando: a pedido do editor da The North American Review, Pulitzer escreve um artigo em defesa da Escola de Jornalismo da Universidade de Colúmbia, que ajudara a criar por meio de uma generosa quantia em dinheiro. Isso em resposta às críticas que a mesma vinha sofrendo. Ao fazê-lo, acabou por estabelecer as grandes diretrizes do jornalismo moderno.

Mais que isso, só lendo o livro.

A edição, bilíngüe, é o terceiro volume da série "Jornalismo a rigor", dirigida por Eduardo Meditsch, parceria entre a Insular e o Programa de Pós-graduação em Jornalismo da UFSC.

A tradução, competente, fica por conta dos irmãos Eduardo e Jorge Meditsch.

1 de dez de 2009

Lançamento do Metamorfoses 2 será dia 5


O lançamento, desta vez, será na Livraria e Cafeteria Iluminura, bem no Centro de Santa Cruz do Sul.

Clicando no cartaz você visualiza melhor os dados.

28 de nov de 2009

Belos motivos para celebrar a 7ª SBPJor

O 7º Encontro Nacional de Pesquisadores de Jornalismo (7ª SBPJor), que se encerrou na sexta, 27, na ECA/USP - São Paulo - foi particularmente importante para mim por pelo menos quatro grandes motivos, que passo a enumerar a seguir em ordem cronológica de acontecimentos.

1º Grande motivo
Porque na mesa que coordenei/integrei, na quinta, 26, havia dois trabalhos cujo tema era a midiatização: o meu, intitulado Auto-referência e co-referência nas páginas do jornal Folha de S.Paulo, e o de Daiane Bertasso Ribeiro/Maria Ivete Fossá, ambas da UFSM, cujo título é Estratégias de Imagem em discursos jornalísticos.

Trata-se de um marco importante este, à medida que a midiatização, como abordagem teórica para compreensão das complexificações que se estabelecem no jornalismo em um contexto de profunda imersão tecnológica como o que nos encontramos, é tema por demais recente, não obstante os reconhecidos esforços de pesquisa realizados neste sentido.

Abaixo, registro de minha apresentação (infelizmente não tenho o crédito da fotógrafa).


2º Grande Motivo
Ainda na quinta, mas às 20 horas, realizamos, Fernando Firmino e eu, o lançamento do livro Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009). Para além do fato de todos os exemplares levados ao encontro terem sido comercializados, o que é bom em muitos sentidos, ficamos muito felizes - Firmino e eu - pela presença de tantos e tão queridos amigos presentes na sessão de autógrafos. Também estavam por lá os co-autores Águeda Cabral, Carlos D'Andréa e Fabiana Piccinin.

A foto é de Fabiana Piccinin. Nela, Firmino é cumprimentado por Rogério Christofoletti, enquanto eu autografo mais um livro lá atrás.


3º Grande Motivo
A eleição da nova diretoria da SBPJor, da qual faço parte na condição de integrante do Conselho Administrativo.

Haveria muito a ser dito a este respeito, mas resumirei da seguinte forma: sou jornalista há mais de duas décadas. Nunca fui, neste período, outra coisa que não jornalista, seja em termos de redação, pesquisa ou sala de aula. Equivale a dizer que me sinto extremamente honrado por integrar, na condição de componente diretivo-organizacional, a Associação Brasileira dos Pesquisadores de Jornalismo.

A foto da posse, abaixo e antes da nominata completa da nova diretoria executiva, foi "tirada" por Marcos Santuário.


Presidente: Carlos Eduardo Franciscato (UFS)
Vice-Presidente: Beatriz Becker (UFRJ)
Diretora Científica: Cláudia Quadros (UTP)
Diretora Administrativa: Kenia Maia (UFRN)
Diretora Editorial: Tattiana Teixeira (UFSC)
Conselho Administrativo: Demétrio Soster (UNISC), Márcia Franz Amaral (UFSM) e Victor Gentilli (UFES)
Conselho Científico: Alfredo Vizeu (UFPE), Antonio Hohlfeldt (PUCRS), Christa Berger (UNISINOS), Fernando Resende (UFF), Iluska Coutinho (UFJF), José Luiz Aidar Prado (PUC-SP) e Rogério Cristofoletti (UFSC).

4º Grande Motivo
Este ainda é segredo. Mas começa a ser gestado em parceria com Gerson Martins e Vitor Gentilli. E promete, por relevante.

A cobertura do 7ª SBPjor por ser conferida, via blog, por aqui.

24 de nov de 2009

Encontro de Professores de Jornalismo

Repasso, por relevante, e-mail do colega Gerson Luiz Martins:

"A Universidade Católica de Pernambuco será a sede do 13º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, em abril de 2010. Esta é a primeira vez que o evento acontecerá no Recife, e a quarta, no Nordeste. A programação contará com painéis, mesas-redondas, conferências e grupos de trabalho, em torno, principalmente, do novo contexto midiático, isto é, das inovações tecnológicas e as mudanças das diretrizes curriculares no Ensino Superior.

Dentro da programação do 13º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, serão promovidos o 4º Encontro Nacional dos Coordenadores de Cursos de Jornalismo, o 9º Pré-fórum da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), o 6º Colóquio da Agência de Notícias dos Direitos da Infância e o 2º Colóquio Iberoamericano de Professores de Jornalismo. O evento, também, compreenderá as eleições da nova diretoria do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ).

De acordo com o professor Ricardo Mello, diretor da Regional Nordeste 1 do FNPJ e vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco, a escolha da Católica deve-se à tradição e à estrutura do seu curso de Jornalismo. “No último evento, em Belo Horizonte, tivemos o indicativo do Recife como uma das possíveis sedes em 2010. Então, a diretoria executiva do Fórum aprovou a proposta do Reitor, Padre Pedro Rubens, que destacava o pioneirismo e a importância da graduação, que completará 49 anos”, contou.

Para Mello, o encontro é vital para a discussão do exercício e do estudo do jornalismo no Brasil, sobretudo diante do novo contexto da profissão. “Devemos valorizar todo evento que possa mobilizar profissionais, estudantes e professores para discutir as perspectivas do trabalho, em torno das novidades tecnológicas e das mudanças no ‘fazer’ jornalismo.” No tocante ao papel da Católica como sede do evento, afirmou: “É fundamental que haja o encontro de docentes e alunos na Universidade, a casa da troca de conhecimentos. Isso permite o intercâmbio das pesquisas e resultados e, consequentemente, a melhoria da formação e da prática jornalística”.

O coordenador do curso de Jornalismo da Católica, professor Alexandre Figueirôa, enfatizou o significado de um encontro nacional para o Recife e a Universidade. “Trata-se de um evento importantíssimo, a possibilidade de trazer à cidade um espaço de discussão e reflexão sobre as principais questões que envolvem a prática e o ensino do jornalismo. É bom lembrar que os professores precisam estar atualizados com os assuntos acadêmicos e políticas de comunicação, porque são responsáveis pela formação dos futuros profissionais”, avaliou.

Para Figueirôa, o Encontro Nacional dos Professores de Jornalismo surge como uma prévia para as comemorações dos 50 anos do curso da Católica, que serão completados em 2011. “Será uma espécie de abertura para as festividades, cujo início oficial acontecerá no Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares de Comunicação (Intercom) 2011, também a ser realizado na Universidade. Esses eventos comprovam a nossa tradição de graduação de Jornalismo mais antiga do Norte e Nordeste”, concluiu.

A marca do encontro, que ilustra esta reportagem, é de autoria da professora Carla Teixeira, também do curso de Jornalismo da Católica. Segundo ela, a imagem tem, como inspiração, uma paisagem-símbolo do Recife (Rua da Aurora e Rio Capibaribe) e elementos de identidade local – entre eles, o efeito de xilogravura, típica da literatura de cordel, obtido através da vetorização da figura".

Mais lançamentos do Metamorfoses 2

O livro Metamorfoses Jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009) será lançado em Santa Cruz do Sul dia 5 de dezembro, sábado. A sessão de autógrafos se realiza a partir das 10 horas na Livraria Iluminura, Centro de Santa Cruz do Sul (Rua Borges de Medeiros, 471).

A obra, que também será lançada às 20 horas do dia 27 de novembro, no 7º Encontro Nacional dos Pesquisadores de Jornalismo (7º SBPJor), em São Paulo, é organizada por Demétrio de Azeredo Soster e Fernando Firmino da Silva. O prefácio é de Alex Primo, da Ufrgs.

Trata-se de um livro indispensável para professores, estudantes, pesquisadores e profissionais para pensar as transformações pela qual o campo do jornalismo passa nos seus aspectos de produção, distribuição e recepção de conteúdo com os processos de digitalização, convergência e de multiplicação de plataformas midiáticas.


Catorze autores, especializados em suas respectivas áreas, lançam olhares e questões sobre os fenômenos emergentes em torno do jornalismo contemporâneo com a crescente complexificação de seus processos. Infografia, midiatização, jornalismo móvel, blogs, wikipédia, radiojornalismo, telejornalismo, redes sociais, gêneros, fotojornalismo e documentários são alguns dos temas tratados nesta edição.

O livro é composto pelos seguintes autores-pesquisadores: Alex Primo (apresentação), Lia Seixas, Raquel Recuero, Cláudio Paiva, Carlos D’Andrea, Fernando Firmino da Silva (org.), Antônio Fausto Neto, Demétrio de Azeredo Soster (org.), Jairo Ferreira, Fabiana Piccinin, Águeda Miranda Cabral, Adriana Alvez Rodrigues, José Afonso Júnior, Nelia Del Bianco e Jair Giacominni.

Anota aí:

O quê: Lançamento do livro Metamorfoses Jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009)
Quem: Demétrio de Azeredo Soster e Fernando Firmino da Silva (Organizadores)
Quando: 5/12 (sábado, 10 horas)
Onde: Livraria Iluminura, Centro de Santa Cruz do Sul

Novo Enfoque Vila Brás está pronto

Mais produção-laboratório, desta vez dos alunos do curso de jornalismo da Unisinos, onde também leciono. Trata-se do Enfoque Vila Brás, produção dos alunos e alunas da disciplina de Redação Experimental em Jornal.

Todos os semestres, a galera visita, em três sábados distintos, a Vila Brás, um dos núcleos mais carentes de São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre. Desta visita nescem os jornais e o conteúdo do Blog Enfoque Vila Brás, que, por sinal, foi premiado este ano no SET Universitário da PUC.

A diferença, nesta edição, é que realizamos um caderno jovem.

Abaixo, as capas. As edições em PDF estão disponíveis no Portal 3.


19 de nov de 2009

Metamorfoses será lançado em Santa Cruz

18 de nov de 2009

Metamorfoses 2 está à venda on-line

O livro Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009), organizado por mim e por Fernando Firmino da Silva, já pode ser adquirido pelo site da editora. O preço é R$ 40,00.

Entre por aqui ou pela capa da coluna "Livros que recomendo", no alto do blog, à direita.

Para maiores informações sobre distribuição e compra, basta entrar em contato com Roque, responsável pela área junto à editora, pelo e-mail roquesantos@unisc.br ou pelo fone (51) 3717.7665.

15 de nov de 2009

Metamorfoses 2 lançado em Porto Alegre

O registro abaixo diz respeito ao primeiro lançamento do Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009), ocorrido às 18h30 de ontem, na 55ª Feira do Livro de Porto Alegre.


Tarde abafada, prenunciando chuva, mas, sobretudo, boa; extremamente agradável, repleta de abraços amigos e reencontros os mais diversos, como convém a um lançamento e a uma feira do livro.

Agora é aguardar o encontro da SBJor, na USP, para o próximo lançamento, desta vez ao lado de Fernando Firmino da Silva, também organizador desta obra, e dos co-autores que por lá estiverem.

Na seqüência, está programado, ainda, para o início de dezembro, um novo lançamento, desta vez em Santa Cruz do Sul. Assim que a data estiver definida, aviso vocês.

Em tempo: a foto é de Verônica Sallet Soster, que aguentou bravamente, ao lado do pai, a maratona literária de ontem à tarde.

13 de nov de 2009

Redefinindo os gêneros jornalísticos

Repico, por relevante, post do Blog Monitorando. Sobre o lançamento do livro Redefinindo os gêneros jornalísticos: proposta de novos critérios de classificação, escrito a partir da tese de doutorado de Lia Seixas. O livro pode ser baixado em PDF ou adquirido em papel.

Abaixo, o primeiro parágrafo da introdução:

"Aprender a fazer jornalismo é aprender a produzir gêneros jornalísticos. O conhecimento mais profundo dos elementos que constituem os tipos mais frequentes de composições discursivas da atividade jornalística pode implicar em maior conhecimento sobre a própria prática. Isso significa conhecimento sobre as competências empregadas para a realização da atividade, desde a produção à publicação do produto. Com as novas mídias, surgem novos formatos, se hibridizam, se embaralham os gêneros. A noção de gênero entra, mais uma vez, em cheque. Por isso mesmo passa a ser vista com mais atenção. Alguns gêneros podem acabar, outros podem aparecer. Alguns se transformam, outros se mantêm. Com as novas mídias, as práticas discursivas passam a experimentar e produzir novos formatos, que podem se instituir ou não em novos gêneros.(...)"

Lia Seixa integra o livro Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Edunisc, 2009), organizado por mim e por Fernando Firmino da Silva.

O fim dos meios massivos

A sugestão de leitura da semana chega por meio de Marcos Palacios, via twitter (@palacios49).

Trata-se de uma resenha assinada por Damián Fraticelli com base no livro "El fin de los medios masivos: el comienzo de un debate", de Mario Carlón e Carlos Scolari (CRUJIA, 2009). O texto foi veiculado no site Portal de La Comunicación.

O que está em pauta, aqui, é a crise dos meios de comunicação social (que eles ainda chamam de comunicação de massa) a partir do momento em que a internet se estabelece no cenario midiático-comunicacional.

Chama atenção o fato que os autores anunciam, no livro, uma espécie de mudança de forma no cenário, em que um modelo há pouco assentado em uma perspectiva massiva (um para muitos) dá lugar a um sistema de comunicação, ainda em formação.

Isso, de certa forma, converge para a discussão que temos proposto desde há algum tempo, ou seja, de que para se pensar em comunicação, particularmente no que ela tem de jornalística, é preciso refletir em termos de sistema.

Vou encomendar o livro. Assim que tiver lido, comento-o para além da resenha.

A ficha:

CARLÓN, Mario; SCOLARI, Carlos A.
El fin de los medios masivos: el comienzo de un debate
Buenos Aires: Crujía, 2009-267 páginas

7 de nov de 2009

Unicom retrô está um arraso

A primeira edição do Unicom deste segundo semestre de 2009, cuja temática é "retrô", não apenas está pronta como ficou linda, muito linda. O Unicom é o jornal-laboratório do curso de jornalismo da Unisc, onde também leciono.

A idéia, desta vez, foi trabalhar em cima do tema "passado no presente", o que exigiu malabarismos de toda a ordem da moçada envolvida no processo. Mas valeu a pena: difícil mesmo é dizer qual matéria ficou mais interessante, seja do ponto de vista jornalístico-editorial ou em termos de planejamento gráfico.

Estou falando de histórias envolvendo pessoas que escrevem cartas ao invés de mandar e-mails e torpedos, de gente que não troca o LP por nada nesse mundo e daqueles barbeiros cujo corte e barbear fazem deles verdadeiros artistas de seu ocício, para ficarmos em três. O mesmo em relação a uma fotonovela que responde à tão popular quanto mítica pergunta "quem matou Odete Roitman?".

Para além do trabalho dos alunos da disciplina de Produção e Mídia Impressa, que leciono, nada disso teria sido possível sem a parceria do pessoal da publicidade entre nós. Refiro-me, nominalmente, a Mariana Pellegrini, que fez a ilustração da capa, e a Henrique Scherer, que cuidou da direção de arte, publicidade e logotipo.

No que diz respeito à moçada do jornalismo, os merecidos créditos vão para Emanuelle Dal-Ri (Editora); Wesley Soares (Subeditor); Aline Silva e Tiago Garcia (Produção); Luana Rodrigues e Tatiane Lawisch (Edição de Fotografia); Ana Paula de Andrade (Diagramação); Maria Clara Reis (Fotografia e Ilustração); Larissa Griguc (Edição de Imagens); Álvaro Neuwald e Nairo Orlandi (Revisão).

Cuidaram da reportagem Aline Silva, Álvaro Neuwald, Emanuelle Dal-Ri, Luana Rodrigues, Maria Clara Reis, Nairo Orlandi, Tatiane Lawisch e Wesley Soares. A coordenação foi deste que vos tecla.

A todos vocês, portanto, meu reconhecimento pelo excelente trabalho realizado, que pode ser conferido em PDF por aqui.

Quem quiser um exemplar e não estiver em Santa Cruz do Sul, é só escrever para a coordenação do Curso de Comunicação, localizada na Sala 1506, Bloco 15 da Unisc, que fica na Avenida Independência, 2293, Bairro Universitário, Santa Cruz do Sul (RS), CEP 96815-900. O telefone é (51) 37158850.

3 de nov de 2009

Espero vocês na 55ª Feira do Livro

31 de out de 2009

Uma música boa demais

Ouçam esta música, ouçam esta guitarra.

Chama-se TV34, do álbum Caminhos, do amigo e colega Gerson Rio Leme, gravada, creio, em 2002.

Bom demais o som do moço, creio que de Santa Maria.

30 de out de 2009

Mídia e identidade gaúcha

Divulgo, por relevante, o lançamento do livro Mídia e identidade gaúcha, que Angela Felippi, da Unisc, e Vitor Necchi, da PUC, estão lançando por meio da Edunisc (2009).

O lançamento será dia 14 de novembro, às 16h30min, na Feira do Livro de Porto Alegre, no Pavilhão de Autógrafos.

Abaixo uma sinopse da obra, encaminhada pelos autores.

"Mídia e identidade gaúcha reúne autores com trajetórias distintas e níveis de formação acadêmica igualmente diversos. Cada um escolheu uma obra, um veículo de comunicação, um suporte midiático ou um fenômeno para convertê-los em matéria de análise.

Alguns artigos derivam de projetos de pesquisa desenvolvidos por seus autores na condição de alunos de programas de pós-graduação, outros são consequência da trajetória regular de pesquisadores mais experientes que fazem da mídia manancial para suas investigações.

Ao apresentá-los em conjunto, o que se pretende é estabelecer uma amostragem da recente produção acadêmica sobre a questão. Ao mesmo tempo, espera-se – sem a soberba cantada em datas cívicas pelos gaúchos – dar uma contribuição ao necessário aprofundamento à reflexão sobre o tema."

29 de out de 2009

Metamorfoses 2 será lançado dia 14/11

Assim que o convite estiver pronto, o que deve ocorrer na sequência, encaminho a todos. Por hora, faço as vezes por aqui: no dia 14 de novembro, sábado, às 18h30, estaremos eu e Fernando Firmino da Silva, autografando o livro Metamorfoses Jornalísticas 2: a Reconfiguração da Forma (Edunisc, 2009). Na 55ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Como já havia dito em outro momento, Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma busca compreender não apenas o momento evolutivo em que nos encontramos, mas, principalmente, as formas e processos que se instauram a partir do cenário de profunda imersão tecnológica em que o jornalismo se encontra.

Trata-se de uma espécie de mapa por meio do qual se busca sistematizar não apenas as mudanças que se observam nos dispositivos midiáticos-comunicacionais quando se estruturam em rede em uma escala de dimensões planetárias, mas, também, no que tange às novas formas de se exercer e estruturar o jornalismo.

O livro também será lançado no III Simpósio Nacional ABCiber, de 16 a 18 de novembro, e no 7º Encontro da SBPjor, de 25 a 27 de novembro.

Abaixo, por meio do sumário, tem-se uma dimensão do alcance do Metamorfoses Jornalísticas 2: a Reconfiguração da Forma. A capa é de Rudinei Kopp.

Grande abraço a todos e até a Feira.

O sumário:

PREFÁCIO
Alex Primo

APRESENTAÇÃO
O SEGUNDO PASSO
Demétrio de Azeredo Soster, Fernando Firmino da Silva

COMO O DISPOSITIVO PREPARA PARA O GÊNERO JORNALÍSTICO?
Lia Seixas

REDES SOCIAIS NA INTERNET, DIFUSÃO DE INFORMAÇÃO E JORNALISMO: elementos para discussão
Raquel Recuero

OS BLOGS E OUTRAS NARRATIVAS DO CIBERESPAÇO
Cláudio Cardoso de Paiva

COLABORAÇÃO, EDIÇÃO, TRANSPARÊNCIA: desafios e possibilidades de uma “wikificação” do jornalismo
Carlos d’Andréa

REPORTAGEM COM CELULAR: A visibilidade do jornalismo móvel
Fernando Firmino da Silva

SOBRE ZH: Zero Hora Responde
Antonio Fausto Neto

MODELO PARA ANÁLISE DO JORNALISMO MIDIATIZADO
Demétrio de Azeredo Soster

ESPAÇO CRÍTICO NO JORNALISMO: para além da indústria, do intelectual e do consumo polêmico
Jairo Ferreira

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: notas sobre o telejornal em transição
Fabiana Piccinin

A TRAVESSIA DO ANALÓGICO PARA O DIGITAL NA TV CABO BRANCO – PARAÍBA
Águeda Miranda Cabral

BASES DE DADOS E INFOGRAFIA INTERATIVA: novas potencialidades, conceitos e tendências
Adriana Alves Rodrigues

VALOR NOTÍCIA X VALOR IMAGEM. FORMATOS DO FOTOJORNALISMO EM REDES DIGITAIS
José Afonso da Silva Junior

O PROCESSO DE MUTAÇÃO DA PRODUÇÃO DO
RADIOJORNALISMO
Nelia R. Del Bianco

O OLHAR DE VERTOV PARA VER HOJE
Jair Giacomini

Olha o Focas do Q? aí gente!

Mais um gol de placa da moçada da Unisc foi feito esta semana, desta vez por meio do projeto Focas do Q?, cujo objetivo é que os estudantes da Comunicação realizem - da pauta à diagramação - uma edição do Q?, caderno jovem do jornal Gazeta do Sul, de Santa Cruz do Sul. Esta é a quarta edição do projeto.

O resultado, como vocês podem ver pela capa da edição de oito páginas veiculada na Gazeta de quarta-feira, ficou bom demais. Trata-se, na verdade, de um esforço coletivo que se iniciou ainda em abril, com a seleção de 15 candidatos do curso de Comunicação da Unisc, e se encerrou ontem. E que aproxima, sobretudo, os estudantes do mercado de trabalho por um viés muito criativo e de vital importância ao jornalismo como um todo.

Os merecidos créditos, então: na reportagem, Bruna Matos, Jaqueline Lara, Cassiane Rodrigues, Juliana Eichwald, Ana Cláudia, Alan Suzhetti Monteiro, Luis Eduardo Bandeira, ANa Luiza Rabusque, Emilin Grings, Bruna Travi, Reban Silva e Sancler Ebert. Na fotografia, Amanda Mendonça; na edição de arte, Gelson Pereira; na multimídia, Lucas Baumhardt e no blog/multimídia, Fábio Goulart.

A coordenação, por parte da Gazeta, ficou aos cuidados de Jansle Appel Júnior, e, por mim, como representante da Unisc.

Maior orgulho dessa galera!

27 de out de 2009

Especial do Na Pilha! está nas bancas

Já está nas bancas, e no site do jornal, a edição especial do Na Pilha!, caderno jovem da Folha do Mate, de Venâncio Aires, realizada pelos alunos de jornalismo de relações públicas da Unisc, onde também leciono.

Abaixo, a capa do caderno feito pelos estudantes de jornalismo da Unisc.


Foi um trabalho bem bacana.

Por meio dele, os alunos do curso de comunicação tiveram a oportunidade de conviver, em termos jornalísticos e organizacionais, de perto com a rotina de uma redação, particularmente na produção de um produto voltada ao público jovem.

O ponto alto da atividade se deu na terça-feira da semana passada, dia 13 de outubro, quando o evento Bate-papo Pilhado - Pra que lado em vou? foi realizado no auditório do Colégio Bom Jesus, em Venâncio.

Na ocasião, os professores da Unisc falaram aos cerca de 500 alunos dos terceiros anos do Ensino Médio do município sobre vocação profissional.

No que diz respeito especificamente ao jornalismo, área coordenada por mim no projeto, participaram os alunos João Pedro Caramez, Yaúnde Backes Narciso, Vanessa Kannenberg (responsável pelo projeto gráfico), Marília Nascimento, Pedro Pícolli Garcia, mais Lucas Adolfo Baumhardt, que fez as vezes de MC.

Por parte da Folha do Mate, o trabalho foi coordenado por Ana Flávia Hant e Diana de Azeredo, editoras do Na Pilha.

24 de out de 2009

Alunos na Unisc realizam mais um Diz Aí

Está pronta - e toda bonita - mais uma edição (a sétima) do Diz Aí, jornal-mural dos alunos do curso de Comunicação da Unisc, onde também leciono.

Desta vez, a galera resolveu contar os bastidores da cobertura da Semana Acadêmica da Comunicação, realizada de 21 a 25 de setembro, com muito humor. Inclui, evidentemente, os professores.

Os merecidos créditos: Ana Cláudia Schuh, Everson Boeck e Raisa Machado, monitores, cuidaram do conteúdo, enquanto Vanessa Kannenberg, voluntária, ficou com a diagramação. A supervisão é deste que vos tecla.

Clique na imagem para ampliá-la.

23 de out de 2009

Em defesa do romance

Há um bocado de coisas que a gente faz nesta vida sem saber exatamente por quê, ainda que desconfie, basicamente porque nos sentimos bem.

Assistir ao pôr do sol, por exemplo (esquece o Guaíba por um segundo e se concentre apenas no sol se pondo, por favor): há coisa mais sem sentido que o ocaso e, ao mesmo tempo, mais deslumbrantemente bela, à revelia de onde se esteja?

Ou, como diria Walt Whitman, há algo mais ou menos profundo que um toque?

Com a literatura ocorre algo parecido.

Claro que, em especial para nós, jornalistas, ler é fundamental, pois amplia o vocabulário, empresta mais riqueza às construções frasais e estilísticas e tudo o mais.

Mas e o que dizer da leitura dos romances per sí, ou seja, sem nenhuma intenção de uso que não o prazer das palavras?

Para escritores do porte de Mario Vargas Llosa, com os quais eu concordo, ler um romance, além de ser extremamente prazeroso (falo dos bons romances), nos torna mais humanos.

Basicamente porque é em textos assim que encontramos a essência do que somos, a exemplo do que ocorre quando o sol de põe no horizonte e cobre de vermelho nossos braços.

Leia o que Vargas Llosa pensa a respeito do assunto no ensaio Em defesa do romance, publicado na Piauí deste mês.

20 de out de 2009

Pra que lado eu vou?

Apesar do cansaço (novidade...) hoje o dia foi muito legal em termos de jornalismo.

A foto aí debaixo, feita não lembro por quem, dá uma idéia do clima. Nela estamos eu, Vanessa Kannenberg e Marília Nascimento.


Ocorre que, logo cedo, pela manhã, foi realizado, em Venâncio Aires, o Bate Papo Pillhado - Pra que lado eu vou?, parceria entre o Na Pilha! - suplemento jovem do jornal Folha do Mate - e o curso de Comunicação da Unisc, onde leciono jornalismo.

A idéia-chave era discutir vocação profissional com estudantes do terceiro ano do Ensino Médio de Venâncio Aires.

Especificamente sobre este aspecto, os trabalhos foram muito produtivos: os cerca de 500 estudantes reunidos no auditório do Colégio Bom Jesus, Centro, dialogaram a manhã inteira com professores da Unisc sobre o caminho a seguir em termos de universidade.

Isso foi muito importante, claro.

Igualmente bacana e digno de nota foi o trabalho que monitores e voluntários da Agência Experimental de Jornalismo da Unisc, que coordeno, realizaram na cobertura do evento.

Eles não apenas cobriram os trabalhos em texto, áudio e vídeo como estão trabalhando neste momento na confecção de uma edição especial do Na Pilha!, que deve ficar pronta na semana que vem e que promete.

São eles Pedro Picolli Garcia, Vanessa Kannernberg, Marília Nascimento, João Caramez, Yaundé Backes Narciso, mais o Lucas Adolfo Baumhardt, nosso impagável Mestre de Cerimônias. A moçada da Agência Experimental de RP e da Assessoria de Imprensa da Unisc também trabalhou, e bem, no evento. A todos, pois, meus parabéns.

Especificamente sobre jornalismo, de onde esta aproximação entre mercado de trabalho e academia?

Basicamente da vontade que alunos e professores têm no sentido de fazer jornalismo em caixa alta, e da forma mais criativa possível, desde a sala de aula. O que tem sido possível, principalmente, a partir do talento pessoal e da aplicação dos ensinamentos que trabalhamos em aula por parte dos alunos que já estão no mercado.

Refiro-me, principalmente, às alunas e colegas Ana Flávia Hant e Diana Azeredo, que, da Folha do Mate, não apenas tocam o Na Pilha! como têm se empenhado, e muito, para que a parceria dê certo e gere frutos. A elas, portanto, igualmente meu reconhecimento.

Mais sobre o evento? Vai no blog do Na Pilha!

18 de out de 2009

Como não se faz uma legenda

Quer saber como não se faz uma legenda?

Dê uma espiada no retrato principal da página 24 de Zero Hora deste domingo.


A foto (dá um clique nela que você enxerga melhor) da página mostra, claramente,

a) uma mulher caminhando no meio da rua

b) mendigos na calçada

e, finalmente,

c) pichações políticas no muro (só a palavra golpista está escrita duas vezes, de onde se infere que o assunto é política).

O que diz a legenda?

Ipsis literis: "Mulher caminha pelo meio da rua enquanto pedintes ficam na calçada, à frente de pichações políticas".

Ou seja, seu burro, caso você não tenha notado, trata-se de uma mulher caminhando no meio da rua enquanto pessoas pedem esmola na calçada, à frente de um muro onde existem pichações políticas.

16 de out de 2009

Hiroshima, de John Hersey


Da série "clássicos que li somente agora", a dica vai para Hiroshima, de John Hersey (Cia das Letras, 2002).

Trata-se, sem maiores exageros, de um dos grandes feitos do jornalismo o deste moço: relatar a história da bomba que se abateu sobre a japonesa Hiroshima às 8h15 do dia 6 de agosto de 1945 a partir de seis sobreviventes da tragédia que resultou em 100 mil mortos, sem contar os contaminados a posteriori pela radiação.

Isso para a revista The New Yorker, que publicou - fato inédito - a reportagem na íntegra, consumindo, assim, o espaço de uma edição inteira (a matéria original, que tinha 150 páginas, levou seis semanas para ser escrita). A tiragem, de 300 mil exemplares, esgotou-se rapidamente.

Penso que este livro é importante, em primeiro lugar, à medida que expõe, a cru, o que aconteceu não com apenas com a cidade, mas com as pessoas que moravam nela no momento em que a bomba explodiu sobre Hiroshima. E o que houve depois disso.

Mas também porque o livro é repleto de informações que somente são possíveis a partir do olhar atento do repórter. Caso, por exemplo, do fato de ter havido, depois de tudo destruído, uma reação estranha da natureza em Hiroshima: as flores, e o verde, recém destruídos, brotaram com uma rapidez incrível após a explosão, deixando estranhamente colorido o cenário mórbido provocado pela destruição.

Quer saber mais? Leia o livro. Vale a pena. Abaixo, um vídeo sobre o momento da explosão.

15 de out de 2009

Retratos da família Soster

De acordo com Júlio Gotardo Soster, o tio/padre da família, que mandou a foto por e-mail, estes foram os primeiros imigrantes da família Soster a chegar ao Rio Grande do Sul. Interessante que os lábios (na verdade, a falta de lábios) de um deles - o primeiro de pé, da esq. para a dir. - são iguais aos do meu pai...

Primeiro Enfoque do semestre está pronto

A moçada da turma de Projeto Experimental em Jornalismo da Unisinos, onde também leciono, concluiu na semana passada a primeira edição do jornal-laboratório Enfoque Vila Brás, de caráter popular, feito em uma das comunidades mais carentes de São Leopoldo. O jornal, desta vez, trouxe encartado um caderno temático sobre saúde, aos cuidados da turma da colega Thais Furtado. Confira a edição em PDF por aqui:


14 de out de 2009

Da imbecilidade humana

Se isso não for armação, é a prova mais cabal que a imbecilidade humana é capaz inclusive de se superar.

Peguei do UOL.

2 de out de 2009

Dá trabalho, mas também prazer

Apesar de exigir um esforço danado (a gente não pára nunca!), ser professor é um algo de tão bom, em especial no que diz respeito à sua relação com os alunos.

Uma vez em sala de aula, por exemplo, batalhamos muito, alunos e professores, para construir nossos caminhos por meio do ambiente acadêmico, o que nem sempre é fácil e o que usualmente exige alguma dose de sacrifício.

O que não significa, evidentemente, que não haja momentos descontraídos.

A foto aí de cima que o diga: foi "tirada" durante um churrasco festivo (gaúcho é complicado; tudo acaba em carne assada...) que realizamos após uma aula, digamos assim, diferente.

Nela, na aula, produzimos algumas fotos para o próximo Unicom, jornal-laboratório que trabalhamos na disciplina de Produção em Mídia Impressa na Unisc, onde também leciono.

Sobre o quê? É segredo ainda.

Mas o fato é que o churrasco estava tri bom e aparecem, na foto, da esquerda para a direita (e de pé), Álvaro Neuwald, eu, Tatiane Lawisch, Maria Clara dos Reis, Aline Santos, Ana Paula de Andrade e Tiago Garcia. Mais à frente, Luana Rodrigues, Larissa Gricuc da Costa, We sley Braga Soares e Nairo Luiz Orlandi, o assador.

A foto é da Emanuelle Dal-Ri, nossa supermegahipereditora.

1 de out de 2009

Jornalismo popular em dígitos é premiado

Olha que bela notícia: o Blog Enfoque Vila Brás, que usamos como interface digital na disciplina de Redação Experimental em Jornal da Unisinos, onde também leciono, foi premiado ontem na categoria Jornalismo Online - Weblog do SET Universitário da PUC.

Um reconhecimento particular à aluna Márcia Lima, editora multimídia do blog no semestre passado e responsável pelo layout do mesmo.

Para quem não conhece, o Enfoque Vila Brás é um projeto de jornalismo popular que desenvolvemos em uma das vilas mais carentes de São Leopoldo, a Brás, desde há pelo menos cinco anos.

30 de set de 2009

Bate Papo Pilhado começa a tomar forma

Este semestre está sendo muito bacana em termos de realizações em nível de extensão.

Refiro-me, desta vez, ao projeto Na Pilha!/Unisc, parceria entre o jornal Folha do Mate, de Venâncio Aires, e o curso de Comunicação Social da Unisc.

A primeira reunião do grupo foi realizada no início da tarde de terça, em Venâncio, e foi muito bacana: nela, decidimos os passos que realizaremos no projeto, bem como datas e prazos a serem cumpridos.

A idéia é cobrirmos o evento "Bate-papo Pilhado – Pra que lado eu vou?", um grande encontro com alunos de terceiros anos de todas as escolas de Venâncio Aires sobre vocação profissional. Dia 20 de outubro, às 9 horas, no auditório do Colégio Aparecida.

Na foto, sorridentes, da esquerda para a direita,na fila da frente, Yaundé Backes Narciso (aluna); Paula Carvalho (gerente comercial da Folha do Mate), Marília Nascimento (aluna), Diana Azeredo (aluna, prima e repórter do Na Pilha!), Ana Flávia Hantt (aluna e editora do Na Pilha!).

Atrás, os alunos João Caramez, Pedro Piccoli Garcia e eu. A foto é do Caco, editor da Folha do Mate.

Mais ao fundo, a igreja matriz de Venâncio Aires.

Abaixo, a moçada fazendo pose.

27 de set de 2009

Cultura digital.BR disponível em PDF

Eis uma boa notícia: Rodrigo Savazoni e Sérgio Cohn estão disponibilizando, em pdf, o livro Cultura Digital.BR. A organização é deles e a supervisão de José Murilo Jr. e Álvaro Malaguti, integrantes da coordenação executiva do Fórum da Cultura Digital Brasileira.

Eles explicam do que se trata: "O livro é o nosso caderno de provocações. Pretendemos com esse trabalho estimular a rede a refletir sobre os desafios contemporâneos. A partir de conversas abertas com pensadores de diversas áreas do conhecimento, procuramos mapear as principais questões que circundam a cultura digital. Trata-se da abertura de um diálogo".

Cultura Digital.BR possui entrevistas de Alfredo Manevy, André Lemos, André Parente, André Stolarski, André Vallias, Antonio Risério, Bernardo Esteves, Claudio Prado, Eduardo Viveiros de Castro, Eugênio Bucci, Fernando Haddad, Franklin Coelho, Gilberto Gil, Guido Lemos, Hélio Kuramoto, Jane de Almeida, Juca Ferreira, Ladislau Dowbor, Laymert Garcia dos Santos, Lucas Santtana, Marcelo Tas, Marcos Palácios, Ronaldo Lemos, Sergio Amadeu e Suzana Herculano-Houzel.

26 de set de 2009

Seacom da Unisc foi marcante

A XIV Semana Acadêmica da Comunicação (XIV Seacom) da Unisc, que se encerrou na sexta, foi marcante sob muitos aspectos, a começar pela qualidade das pelestras e oficinas que se realizaram ao longo do período.

Digo isso por ter coordenado a cobertura do evento que os monitores e voluntários da Agência Experimental de Jornalismo da Unisc realizaram, aos meus olhos de forma muito competente, mas também a partir das impressões que os alunos trouxeram até mim. Ou seja, deu tudo certo. E bem.

Coube a mim a condução do trabalho de três convidados: Gabriel Renner, de quem já falei; Luiz Zini Pires, editor de cultura de Zero Hora; e, finalmente, o casal Ana/Eduardo De Zottis, da De Zottis Comunicações.

A pelestra de Zini Pires foi muito importante porque, mais do que falar de jornalismo cultural, observou que, para fazê-lo, é preciso doses equilibradas de competência, conhecimento, e, sobretudo, ética. Uma noite marcante a de quinta-feira, 24 de setembro, sem dúvida.

A foto abaixo, da palestra do Zini, é de Vanessa Kannenberg, monitora da Agência de Jornalismo.


A manhã seguinte (sexta, 25/09), para ficarmos na esfera dos meus convidados, foi igualmente marcante, à medida que Ana e Eduardo De Zotti têm mais de 20 anos de experiência em assessoria de imprensa e são proprietários, desde há muito, de seu próprio negócio. Deram uma verdadeira aula de como se deve proceder quando o assunto é autonomia e empreendedorismo em jornalismo.

Já foto abaixo, da palestra de Ana e Eduardo De Zottis, é de Marília Nascimento, monitora da agência de jornalismo da Unisc.


Para saber como foi a cobertura que a moçada fez da XIV Seacom, entre no site oficial. Lá você encontra, além das matérias sobre todos os eventos da seacom, vídeos, fotos e perfil/currículo dos convidados.