31 de jul de 2008

200 anos de Times estão digitalizados

Recebi esta por meio da news letter do site "O jornalista". Segundo a própria, o jornal " Times de Londres, um dos jornais mais antigos do mundo, disponibilizou na Internet um arquivo de 200 anos. Foram digitalizadas as edições de 1785 a 1985. São mais de 20 milhões de artigos, que destacam os assuntos mais importantes retratados pelo jornal desde 1785, inclusive com fotos históricas. No arquivo pode-se acessar, entre outras raridades, até as notícias da execução de Maria Antonieta". Material bom de pesquisa, com certeza.

29 de jul de 2008

O moçoilo vai bem, obrigado

Atenção, atenção: o jovem Pedro que, ao nascer, tinha 3,7 quilos e 53 centímentros - o que o incluía na categoria Gigante para a Idade Gestacional (GIG) - agora pesa 4,1 quilos e está com 56 centrímetros. Equivale a dizer que o moçoilo vai muito bem, obrigado. Ia esquecendo: ele também fez o teste do pezinho. Soubemos da novidade há pouco, durante consulta com o pediatra e amigo Jorge Bertão, que tem estado com ele desde o nascimento.

O baile de Pedro

Pedro deu um baile esta noite, literalmente. A mãe dele e eu dormimos, digamos assim, duas, três horas... E agora ele dorme, o carinha de pau, como se nada realmente houvesse acontecido entre nós três. O pior é que nem adianta perder a paciência, pois a figurinha não entende. Ou será que bebês sabem, digamos assim, "disfarçar" quando lhes convêm? Na verdade, foi o segundo baile de Pedro. No primeiro a gente relevou, pois foi no dia que ele nasceu. Mas neste não tem arreglo: vou contar tudinho pro pediatra dele.

28 de jul de 2008

A SBPJor e a obrigatoriedade do diploma

Do site da SBPJor, como se minhas fossem: "A diretoria e conselhos da SBPJor aprovaram que a entidade se posicione publicamente a favor da exigência do diploma de Jornalismo para o exercício da atividade. O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar, provavelmente no mês de agosto, uma ação que propõe o fim da obrigatoriedade do diploma de nível superior em Jornalismo para atuar na função de jornalista. A diretoria da SBPJor avaliou que a entidade científica, por ter um compromisso claro de consolidação do campo do jornalismo, não poderia estar à margem deste processo e do debate público que ele almeja. Por isso, torna pública a carta a seguir:

Carta em defesa da formação superior
em Jornalismo para o exercício profissional


A Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), entidade científica que busca a promoção de estudos avançados no campo do jornalismo, reunindo 347 pesquisadores, sendo 154 doutores, vem a público manifestar sua preocupação com a possibilidade de extinção da obrigatoriedade do diploma de Curso Superior de Jornalismo para o seu exercício profissional, objeto que se encontra em análise pelo Supremo Tribunal Federal (STF).A SBPJor entende que a preservação da liberdade de expressão e de um fluxo informacional qualificado e plural na sociedade brasileira depende da existência e atuação de profissionais com competências específicas para garantir o cumprimento dos compromissos e responsabilidades sociais inerentes à atividade jornalística. Avaliamos que um jornalista devidamente preparado em um curso superior obtém conhecimentos que lhe capacitam para garantir a pluralidade de acesso, opiniões, ideologias, culturas e visões de mundo que devem permear o conteúdo jornalístico de um meio de comunicação social. Consideramos que a extinção da obrigatoriedade do diploma em Jornalismo para o exercício profissional abrirá a possibilidade de que pessoas sem requisitos de competência e conhecimento assumam a função jornalística, tornando esta atividade muito mais exposta às pressões e controles por aqueles que tentam desvirtuar o caráter de interesse público da informação jornalística.
Brasília, 21 de julho de 2008.
Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor)".

Eis que julho se foi

Senão, vejamos o que foram as tais das férias de julho: tese (defendo em novembro; é preciso pressa!), projeto de pós-graduação (está pronto, faltam apenas alguns detalhes); capítulo de livro (já está na editora); orientações de monografia (são três); texto para a mesa coordenada da SBPJor (pronto, também); preparação das aulas (oito cadeiras, nas três universidades); elaboração de um seminário em Cascavel, Paraná (pronto), manutenção dos blogs, leituras (muitas e necessárias) e nascimento do Pedro (o que requer noites pouco dormidas), para ficarmos nos mais imediatos. Ufa! A verdade é que poucas vezes saí de um período de férias tão à míngua em termos de resistência física. Mas, sobretudo, feliz: a família, agora maior, vai bem e agradece. E isso, ao final, é o que me importa.

27 de jul de 2008

O que restava do umbigo de Pedro

Hoje, exatos sete dias depois de ele ter nascido, Pedro - o sujeitinho com o olhas 43 aí da foto - perdeu o que restava de seu umbigo; aquele pedacinho de tripa preso por um plástico que mais atrapalha que ajuda na hora de trocar fraldas e dar banho no bebê. E, a julgar pelas evidências, nem percebeu a perda. Se eu vou guardar a lembrança? Sem chances. É nojendo demais. Neste momento estão lá, ele e a mãe, na cama; curtindo um domingo que amanheceu com cara de sono ao sul do sul do Brasil.

26 de jul de 2008

Alterações na regulamentação do jornalismo

Recebi – e repasso, por relevante – o seguinte e-mail do amigo e colega Jorge Corrêa:
“O Diário da União publicou na edição desta sexta-feira (25/07) a portaria 342/08 instituindo grupo de estudos com o objetivo de ‘propor alterações na legislação em vigor para viabilizar a regulamentação da profissão de jornalistas"’. A publicação é um compromisso recentemente assumido pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, em reunião com dirigentes sindicais dos jornalistas.
No dia 10 de julho, representantes da FENAJ informaram ao ministro que partiu do próprio Governo a proposta de constituição de um Grupo de Trabalho para encaminhar a atualização da regulamentação profissional dos jornalistas. ‘A constituição de tal GT, adiada durante quase dois anos, seria uma medida compensatória após o veto do governo federal, no final de 2006, ao PLS 079/04, que havia sido aprovado no Senado’, explica o presidente da FENAJ, Sérgio Murillo de Andrade.
Para o dirigente, a iniciativa do ministro vem em boa hora e não tumultua a campanha de defesa do diploma - questão em análise no Supremo Tribunal Federal (STF). ‘São processos relacionados, mas absolutamente independentes’, avalia.Entre as atualizações previstas no PLS 079/04, estavam as caracterizações de novas funções profissionais, inclusive a de assessor de imprensa. A Portaria 342/08 estabelece a composição do GT com participação dos trabalhadores, empresários e governo, cada qual com três representantes, e com prazo de 90 dias para apresentar relatório final. Mais informações no site da Fenaj
.

Pedro já tem uma semana de vida

Hoje faz exatamente uma semana que Pedro nasceu e começa a desconfiar - ainda que não tenha certeza disso - que a noite serve para dormir. Longa vida ao Pedro, então!

23 de jul de 2008

O banho de Pedro

Vejam com seus próprios olhos o que é a habilidade dos pais...

video

O cara

Nem eu me aguento mais: hoje instalei - s-o-z-i-n-h-o - a secadora de roupas. E funcionou.

Blog novo na parada

Tem blog novo na parada, moçada: o Almanaque, da amiga e colega Tattiana Teixeira, agora em Floripa, Santa Catarina; voltado ao "jornalismo, humor, crianças, pesquisas, aulas…" e criado para ser "(...) uma espécie de ponto-de-convergência entre diversos interesses, dos acadêmicos aos mais triviais". Vão lá. Confiram. Grande abraço a todos.

21 de jul de 2008

Trocando as fraldas de Pedro (ou "O suador")

Experiência, cês sabem, é tudo; neste caso, trocando as fraldas de Pedro em um momento em que ele estava, digamos assim, particularmente inspirado. Vejam com seus próprios olhos a cena. A ajudante é Verônica, irmã e fã incondicional de Pedro. As imagens, a partir de uma Sony Cyber-shot 8.1, são de Denise Frandolozo, amigona, que nos visitou no final da tarde de domingo. As vozes ao fundo são da Fabi.

video

Ele está no meio de nós

Há um momento de coisas a serem ditas, mas, como o estado ainda é de deslumbramento compulsivo, limito-me a informar, a quem interessar possa, que ele, Pedro, está entre nós. E que é lindo, mas muito lindo mesmo! E que a Fabi, a mulher que eu amo e que divide comigo esta alegria; e que é, ao final, responsável pela chegada de Pedro ao mundo, nesto momento alimenta o garoto. E que deu tudo certo; e que agora todos estamos bem, em casa. E que haja, mais do que nunca, paz no mundo, e que todos sejamos, homens, mulheres e crianças, seres de boa-vontade, com tudo o que isso possa vir a significar.

18 de jul de 2008

Extra! Extra! Extra!

Agora é sério, moçada: Pedro, meu segundo filho - o primeiro é Verônica, hoje com 13 anos - vai nascer às 7h30 de amanhã, sábado; décimo-nono dia do mês de julho, ano da grade de 2008. Que seja bem-vindo Pedro, então!

Cheiro de literatura

Sujeito diferente este tuga moçambicano dito Mia Couto. Lá pelas tantas, no A Varanda do Frangipani (Cia das Letras, 2007) diz ele: "Sou o morto. Se eu tivesse cruz ou mármore neles estaria escrito: Ermelindo Mucanga. Mas eu faleci junto com meu nome faz quase duas décadas. Durante anos fui um vivo de patente, gente de autorizada raça. Se vivi com direiteza, desglorifiquei-me foi no nascimento. Me faltou cerimônia e tradição quando me enterraram"; Morrer junto do nome; estar ausente de cerimônia e tradição em sua morte. O dia amanhece quente e há cheiro de literatura no ar. E Pedro nascerá a qualquer momento.

17 de jul de 2008

Cresce campanha em defesa do diploma

Do site da Fenaj: "A campanha em defesa do diploma e pela rejeição do Recurso Extraordinário (RE) 511961 no Supremo Tribunal Federal (STF) intensifica-se em todo o país. Vários estados registraram novos avanços nas últimas semanas. A FENAJ abriu espaço em seu site para manifestações dos jornalistas e da sociedade. E a Coordenação da campanha orienta as entidades que já aderiram ao movimento a intensificarem a busca de apoios. O julgamento do recurso no STF está previsto para o segundo semestre de 2008.Em Pernambuco, o Sindicato dos Jornalistas desenvolve diversas atividades. Além de um ato público que está sendo preparado, a entidade já percorreu as redações distribuindo materiais da campanha e vem agendando visitas a entidades e autoridades. Na semana passada, obteve o apoio do Conselho Estadual de Medicina (Cremepe) e da CUT/PE ao movimento. Já solicitou audiência com o governador Eduardo Campos e aguarda também a definição das datas dos encontros com as presidências da Assembléia Legislativa e Câmara de Vereadores do Recife, além das prefeituras de Recife e Olinda.No dia 4 de julho o Departamento de Jornalismo da UFSC, além de uma moção de apoio ao movimento, definiu um conjunto de ações. Entre elas, a publicação de um anúncio na próxima edição do jornal laboratório “Zero” e a promoção de uma mesa redonda já no reinício das aulas, em agosto.A Câmara de Vereadores de Sorocaba (SP) aprovou por unanimidade, no dia 10 de julho, uma moção em apoio à obrigatoriedade do diploma em Curso Superior de Jornalismo para o exercício da profissão que será encaminhada ao Supremo Tribunal Federal.No RS, professores e estudantes dos cursos de Jornalismo da UFSM, UFRGS, Ulbra, Unisinos, Feevale, Univates, Unifra e UPF, além do Diretório Acadêmico da UFSM, União Estadual dos Estudantes, Unifra e Movimento Jornalistas por Formação reuniram-se no dia 11 de julho, na sede do SJRS, e se engajaram na campanha em defesa do diploma . Na reunião foi definida a redação de um documento que será encaminhado aos reitores das universidades, a participação de dirigentes da FENAJ e do Sindicato em aulas inaugurais e debates entre o final deste mês e 13 de agosto - data em que haverá uma mobilização em defesa da regulamentação da profissão.Em carta ao presidente do STF, o atual e o futuro presidentes da INTERCOM (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação), José Marques de Melo e Antonio Hohlfeldt, expressaram a posição da entidade sobre o tema. “O diploma de jornalismo, que agora se discute, não constitui uma simples reserva de mercado. Estabelece, isto sim, que o jornalista deve passar pelos bancos da Universidade. Só ali esse agente da informação coletiva pode se qualificar profissionalmente. É onde pode adquirir clara percepção das responsabilidades que tem perante à sociedade”, diz o documento, complementando que “Não se trata de defender uma categoria, mas, acima de tudo, garantir ao conjunto da sociedade brasileira o direito de ser bem, livre e corretamente informada”.A coordenação da campanha do diploma orienta os sindicatos, entidades da sociedade civil e demais entidades do campo do Jornalismo a prosseguirem defendendo o direito da sociedade à informação de qualidade buscando mensagens e moções de apoio ao movimento, como também enviando mensagens para os e-mails dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que julgarão o recurso do Ministério Público Federal e do Sindicato das Empresas de Radiodifusão de São Paulo que tenta desregulamentar a profissão de jornalista no País".

E Pedro que não chega?

E o Pedro que não chega? Está tudo pronto: quarto, berço, as dezenas de milhares de fraldas. Já não aguento mais explicar, a cada telefonema, que não; que ele não nasceu ainda, mas que nascerá até sábado, 19, seu dead line. Mas fica uma sensação meio estranha. Tipo: "Mas não era para dia tal?! Tu vês, eu havia me programado para ir até aí..." Desculpe aí, mas o malandro já mostra personalidade; virá quando entender que terá chegado a hora de vir. E ponto. Até porque, vamos combinar: pra que pressa? A real é que vai deixar pra última hora, o moleque... E não há quem possa lhe tirar a razão.

16 de jul de 2008

Considerações a respeito de O Mago

Se você é daqueles que, como eu e a torcida do Flamengo, encantaram-se com versos tipo "enquanto você se esforça pra ser/um sujeito normal/e fazer tudo igual", ou, "se você quer tomar banho de chapéu/ou esperar papai-noel/ou discutir/carlos gardel/então vá:/faça o que tu queres, pois é tudo da lei", - e, por outro lado, acham livros como Brida, O Alquimista e O Diário de um Mago muito mal escritos, apesar das histórias - então não pode deixar de ler O Mago - a biografia de Paulo Coelho, escrita por Fernando Morais e publicada pela editora Planeta neste 2008. Um tijolaço: e lã se vão mais de 600 páginas!!!! A verdade é que, poucas vezes em toda a minha vida (ando superlativo ultimamente, não liguem), um livro deste gênero foi tão capaz de desfazer encantos como este que vos descrevo, ainda que apressadamente. Não por cruel, haja vista que ao fazê-lo, não faz mais que cumprir - e bem - sua função de biografia. A má notícia é a seguinte: Paulo Coelho - e Raul Santos Seixas - são seres humanos. Como tal, capazes de babaquices as mais diversas, mas também de coisas bem legais. Claro que, no caso dos dois, em especial do "Mago", as babaquices parecem disputar espaço entre si, de tantas e tão expressivas (plágios, tropeços de caráter, ambição desmedida etc.). Mas, no cômputo final, trazem o perfil de um personagem rico, portanto interessante. O livro foi construído tendo como eixo principal os diários de infância de Paulo Coelho, entrecortado com entrevistas aqui e ali. Eu gostei, ainda que não tenha entendido, ainda, como este sujeito foi capaz de vender, até aqui, mais de cem milhões de livros.

Finalmente um filme

Eis que, passados alguns séculos do mais absoluto silêncio em minhas retinas, finalmente surge um filme digno de nota. Refiro-me ao "Na natureza selvagem", dirigido pelo Sean Penn. O enredo é o seguinte: um garoto chamado Christipher McCandless (Emile Hirsch), já formado, lá pelos 90, decide dar um basta geral, inclusive em sua família, e sai em busca de suas concepções de mundo, formadas, entre outros, a partir de leituras como Henry David Thoreau (recomendo Desobedecendo e Walden, ou a vida nos bosques), que cita o tempo inteiro. O objetivo é chegar ao Alasca. Na verdade, dar um tempo longe de tudo e de todos, em especial de sua família. Eis que, em uma empreitada meio hippie, meio beatnick, meio, o garoto sai por estão mundão afora até finalmente chegar ao seu destino. No caminho, conhece uma porrada de gente interessante. Dizem, ao final, que a história se baseia na aventura vivida por um sujeito realmente chamado Christopher McCandless. Também afirmam que Sean Penn demorou dez anos para terminar o filme, do que eu também não tenho porque duvidar. A verdade é que a história é muito porrada. Não vou contar o fim, mas adianto que não segue a cartilha. Apenas sigo sem entender como, afinal de contas, um bendito de um ônibus (sem motor) foi parar no meio do Alasca, onde o diabo perdeu as botas. Licença poética? Que o seja, então.

Decifra-te

O que é pior: a insônia ou não saber desde quando estamos de fato acordados nesta looooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooga noite de Santa Cruz?

5 de jul de 2008

Olha o Unicom uma vez mais aí, gente!

O semestre na Unisc, by Santa Cruz do Sul, onde também leciono, se encerrou com duas edições do Unicom, nosso jornal-laboratório, sendo que a mais recente ficou pronta na semana passada. Diferentemente da anterior, desta vez o conteúdo foi livre do ponto de vista temático. O que também rendeu bons achados, como, por exemplo, o mapa da prostituição de Santa Cruz do Sul e o consumo do LSD nas baladas santa-cruzenses, para ficarmos em duas. Mas não foi só isso: ao longo do semestre, a turma dialogou por meio de um blog - o Blog do Unicom -, onde fizemos telewebjornais, podcasts e o que mais foi possível fazer, além de um site. Vão lá. Vejam com seus próprios olhos. Nos visitem.

A ficha técnica está aí embaixo.

Editor: Letícia Mendes
Sub-edição: Cláudio Froemming, Guilherme Mazui e Marisa Lorenzoni
Produção: Daiane Balardin, Luciana Mandler e Roseane Bianca
Reportagem: Cláudio Froemming, Daiane Balardin, Daniel Rech, Débora Nunes, Guilherme Mazui, Josiléri Cidade, Josué Dalla Lasta, Letícia Mendes, Luciana Mandler, Marisa Lorenzoni, Rodrigo Nascimento, Roseane Bianca, Rozana Ellwanger, Sancler Ebert e Simone Cardoso
Revisão: Daniel Rech, Fernanda Almeida, Greice Guilhermano e Josiléri Cidade
Diagramação: Gelson Pereira
Direção de arte: Gelson Pereira e Lázaro Fanfa
Ilustrações: Giusepe Fontanari
Fotos: Cláudio Froemming, Daniel Rech, Débora Nunes, Márcia Melz, Marisa Lorenzoni, Rozana Ellwanger
Logotipo: Samuel Heidemann
Impressão: Graphoset
Tiragem: 500 exemplares