30 de abr de 2009

Lei de Imprensa está extinta. Finalmente

Do site Coletiva.net: "Depois de quase cinco horas de sessão plenária, os onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) chegaram a uma conclusão sobre a Lei de Imprensa: a partir de hoje, a Lei 5.250/67, considerada um resquício do período da ditadura militar, está oficialmente extinta. O julgamento já havia sido iniciado em 1° de abril, quando os ministros Carlos Ayres Britto, relator do caso, e Eros Grau votaram a favor da revogação total da regra. O assunto está na pauta do STF desde fevereiro do ano passado, quando o PDT entrou com uma ação pedindo a extinção da regra, que regulava a liberdade de manifestação do pensamento e da informação. Em 2008, a Corte suspendeu 22 dispositivos da lei". Veja o restante da matéria por aqui.

25 de abr de 2009

Lobão e a midiatização

Deixando de lado a verborragia desvairada do Lobão, que outro dia esteve palestrando na Unisc, onde também leciono, um trecho de sua fala chamou atenção em particular, por relevante. Lá pelas tantas, o sujeito disse que, apesar de ter sido o primeiro músico brasileiro a disponibilizar uma música sua gratuitamente pela web (no final da década de 90; registrou, segundo ele, 350 mil dowloads)- e de entender, portanto, a web como um importante canal de comunicação - deixou claro, lá pelas tantas, que isso não basta. É preciso estar na tevê (usou o exemplo do Faustão, creio), no rádio, nas revistas (citou a Rolling Stone) para "acontecer". Traduzindo, e puxando o assado para meu braseiro: mais que circular, é preciso estar referendado pelos dispositivos midiáticos. Isso para que haja, aí sim, mais possibilidade de a informação ser transmitida de um lugar a outro (a interpretação é minha). Ou seja, é preciso estar no sistema midiático-comunicacional para, a partir dele, existir na sociedade, haja vista que não podemos pensar em um sem outro. A internet é parte fundamental deste processo, à medida que permite aos fluxos de informação terem lugar, emprestando aos dispositivos o papel de nós e conexões do sistema. É mais ou menos nesta direção que caminha minha tese. A foto é de Márcia Melz, amiga e aluna, por ocasião da coletiva que antecedeu a palestra, na quinta passada.

24 de abr de 2009

Tese sobre midiatização na Unisc

Pessoal, O Departamento de Comunicação Social da Unisc, onde também leciono, está retomando o projeto Diálogos da Comunicação. A primeira apresentação do semestre ficará por minha conta, quando apresentaarei a síntese de minha tese de doutorado intitulada "O jornalismo em novos territórios conceituais: internet, midiatização e a reconfiguração dos sentidos midiáticos". Neste trabalho, examino as transformações que estão ocorrendo no âmbito do jornalismo a partir de sua imbricação com outros sistemas.

A pesquisa busca observar o que representam, ao jornalismo, estes novos territórios conceituais por meio de uma reflexão teórica do fenômeno da midiatização, bem como pelo estudo empírico de dois acontecimentos - o "Escândalo da Arbitragem" e o "Acidente da Gol".

A questão está estruturada em três movimentos: o desenvolvimento do cenário em que a midiatização se estabelece, a complexificação deste cenário e, finalmente, a processualidade da midiatização.

Na pesquisa, parto do pressuposto de que os dispositivos jornalístico-comunicacionais, - jornais e as revistas impressos, o rádio e a televisão, e, mais recentemente, os webjornais e os blogs de natureza jornalística -, não são apenas vetores de midiatização.

Ao possibilitar que se instaure, por meio de suas operações, que são de natureza tecnológica, mas também sócio-discursivas, uma nova ambientação na sociedade, e, nela, no jornalismo, acabam sendo afetados pela processualidade da midiatização, midiatizando-se. Complexificam-se, assim, formas e processos desenvolvidos ao longo de pelo menos 300 anos de evolução, o que requer novas gramáticas interpretativas.

O encontro ocorre dia 07 de maio, às 14h30min, na sala 1507 da Unisc. Estão todos convidados.

22 de abr de 2009

Confederação de Associações Científicas da Comunicação é criada

Esta chegou por e-mail ontem à noite, enviada por José Marques de Melo. Transcrevo na íntegra, por relevante:

"Reunidos em assembleia geral, no dia 18 de abril de 2009, os representantes de onze entidades científicas presentes ao IBERCOM 2009 - XI Congresso Ibero-Americano de Comunicação, promovido pela Associação Ibero-Aemricana de Comunicação, com o apoio da Universidade da Madeira, na cidade do Funchal (Ilha da Madeira, Portugal), decidiram fundar a Confederação Ibero-Amermicana de Associações Científicas de Comunicação - CIAC.

Esta entidade tem por objetivo central “a promoção do debate e da produção científica ibero-americana no campo das Ciências da Comunicação, em termos nacionais e internacionais, tendo em vista a importância das línguas oficiais e culturas em que se expressam e relevando os diversos sistemas de informação e comunicação do mundo contemporâneo”.

A primeira diretoria, eleita com mandato de dois anos, será presidida pelo professor José Marques de Melo (Brasil). A diretoria está composta por uma executiva com mais sete membros: 1º vice-presidente, Francisco Sierra (Espanha); 2º Vice-Presidente, Erick Torrico (Bolívia); Diretor Acadêmico, Moisés Lemos Martins (Portugal); Diretor Administrativo, Elias Machado (Brasil); Diretor Científico, Luís Albornoz (Espanha); Diretor Institucional, Luís Humberto Marcos (Portugal); e Diretor de Relações Interdisciplinares, Rodrigo Gomez (Mexico). Foi também eleito um Conselho Fiscal composto por três membros: António Gomez (Bolívia), Gustavo Cimadevilla (Argentina) e Tereza Quirós (Peru).

Na assembléia de fundação estiveram representadas entidades científicas da Argentina (Federacción Argentina de Carreras de Ciencias de la Comunicación - FADECCOS), Bolívia (Asociación Boliviana de Investigadores de la Comunicación - ABOIC), Brasil (Federação Brasileira de Associacões Científicas ou Acadêmicas de Comunicación - SOCICOM, cuja delegação foi integrada pelas associações nacionais abrangentes como INTERCOM e COMPOS, bem como pelas entidades segmentadas como ABRAPCORP, FOLKCOM e SBPJOR), Espanha (Asociación Española de Investigación de la Comunicación - AE-IC), México (Asociación Mexicana de Investigadores de la Comunicación - AMIC) e Portugal (Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação - SOPCOM), além de associações internacionais como a Associação Ibero-Americana de Comunicação – AssIBERCOM; Asociación Latinoamericana de Investigadores de la Comunicaión – ALAIC; União Latino-Americana de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura - ULEPICC, Federación Latinoamericana de Facultades de Comunicación Social - FELAFACS e Federação Lusófona de Ciências da Comunicação - LUSOCOM.

Na mesma assembleia foi aprovada a “Carta-Programa da Madeira” na qual se estabelecem as prioridades de atuação da entidade, em particular, para os dois primeiros anos de atividades. Esse documento ratifica e aperfeiçoa três instrumentos anteriores – a Convocatória de Santos (Brasil, 2007), o Protocolo de Guadalajara (Mexico, 2007) e o Acordo de Santiago (Espanha, 2008) – que fundamentam a necessidade de criar um espaço institucional capaz de potencializar a presença orgânica das ciências ibero-americanas da comunicação no âmbito da comunidade científica internacional.

Ficou ainda decidido que a sede da Confederação ficará na cidade de São Paulo, Brasil, local onde será feito o registo jurídico da entidade. O Brasil vai sediar também a I Conferência Mundial de Pesquisa em Comunicação Ibero-Americana e o I Forum Ibero-Americano de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, previstos para o biênio 2010-2011.

Fonte: SOCICOM (2009) - Email: socicom@intercom.org.br

CIAC - SOCICOM – INTERCOM - Av. Brigadeiro Luis Antonio, 2050 – conj. 36/38, no bairro da Bela Vista, região central da Cidade de São Paulo (junto à Estação Brigadeiro do Metrô e próximo à Avenida Paulista), Brasil".

19 de abr de 2009

Revista IHU discute a midiatização

A versão on-line da Revista IHU, do Instituto Humanitas, da Unisinos, dispobiliza alguns textos muito interessantes sobre Midiatização, em HTML e PDF. Este é, aliás, o tema-geral da edição. Os textos - na verdade, transcrições de entrevistas - são de Pedro Gilberto Gomes, José Luiz Braga, Antonio Fausto Neto (orientador de minha tese) e Jairo Ferreira, pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Unisinos. Também se inserem na publicação Muniz Sodré, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Escola de Comunicação; Daniel Dayan, diretor de pesquisa no Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS), de Paris, membro do Marcel Mauss Institute (École des Hautes Études en Sciences Sociales) e professor de Sociologia da Mídia na Universidade de Genebra; além de Dênis de Moraes, professor do Departamento de Estudos Culturais e Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense.

Verônica desta vez pegou leve

Minha filha, Verônica, cês sabem, no alto de seus 13 para 14 anos, está se notabilizando em fazer perguntas, digamos assim, embaraçosas do ponto de vista de um pai. E isso invariavelmente ocorre quando estamos na estrada. Mas na sexta-feira, quando trazia a moleca de São Leopoldo, onde mora com a mãe, para Santa Cruz do Sul, onde eu moro, ela decidiu pegar leve. Sua dúvida era porque os motéis sempre estão localizados em lugares escondidos, tipo meio do mato. Apenas isso.

18 de abr de 2009

Primeira edição do Enfoque em 2009

O pessoal da disciplina de Redação Experimental em Jornal, na Unisinos, onde também leciono, já encerrou a primeira edição do jornal Enfoque Vila Brás, jornal-laboratório da disciplia de caráter popular. E o resultado ficou bem bacana, penso. O Enfoque Vila Brás é um jornal feito com/para a comunidade da Vila Brás, na periferia de São Leopoldo, em um total de três edições no semestre. A disciplina também desenvolve um blog, o Enfoque Vila Brás.

16 de abr de 2009

Alunos da Unisc realizam jornal-mural

O Diz aí! - jornal-mural do Curso de Jornalismo da Unisc produzido para a Agência Experimental de Jornalismo é uma realidade desde ontem, quando finalmente ficou pronto e já se encontra nos murais e salas de aula. O mérito da iniciativa é das alunas Letícia Mendes, Daiane Balardin, Márcia Melz (edição de fotos) e Gelson Pereira (projeto gráfico/diagramação), por meio da disciplina de Estágio Supervisionado. A realização do Diz aí!, que inclui um blog (em fase de desenvolvimento), foi a tarefa que coube aos alunos durante seu estágio na Agência Experimental de Jornalismo da Unisc. Que eles saibam ocupar seu espaço.

12 de abr de 2009

1968-1976: Veja sob censura

Acredite se quiser: houve um tempo em que a Veja não apenas era uma grande revista como dava uma dor de cabeça danada aos agentes da censura no (des) governo militar. Tanto que, por um longo período, muitas de suas matérias foram simplesmente proibidas de circular basicamente porque iam, digamos assim, contra os princípios da "Revolução", que é como os milicos chamavam o Golpe de 64. A prova disso são os originais das matérias censuradas, guardadas nos arquivos da revista, que Maria Fernanda Lopes Almeida vem pesquisando desde 1998 e que agora toma forma de livro pela editoria Jaboticana (2008). O texto de 1968-1976: Veja sob censura é bom, em primeiro lugar, porque nos ajuda a compreender os mecanismos por meio dos quais as forças da repressão impunham sua vontade no período de 1968 a 1976. Mas também porque traz informações muito preciosas sobre o lançamento daquela que viria a ser a maior revista de informação do país, com tudo o que isso possa significar. Eu recomendo.

11 de abr de 2009

Longa vida a Gabriel Renner

Para quem ainda não o conhece, apresento Gabriel Renner by Estúdio Pinel; longa vida a ele, pois.

A vida não tem pressa no outono

Para quem não leu, mas possui assinatura do UOL, recomendo, por lindo, o texto de Carlos Heitor Cony, publicado na contracapa da Ilustrada, by Folha de São Paulo. Sobre a Páscoa, o outono e o Rio de Janeiro. Um trecho: "Outono é um tipo de Páscoa, nem manhã e já começo de noite, uma noite diferente que não se precisa explicar às crianças, uma Páscoa sem Deus, pagã e carnal, a vida não tem pressa no outono, nada vale a pena e tudo o que acontece é lucro, um lucro não lutado nem conferido, mas que acrescenta um pedaço de paz imerecida na insensata guerra dos vencidos.".

3 de abr de 2009

Mestrado em jornalismo seleciona candidatos

Repassando e-mail recebido há pouco: o Mestrado em Jornalismo da UFSC está lançando o Edital do seu Processo Seletivo 2009. Todas as informações a respeito estão disponibilizadas no site www.posjor.ufsc.br.

Mais um momento