26 de jul de 2009

Resenha comenta Cultura da Convergência


Recebo, via Twitter (@andrelemos RT @Cibercidade), notícia dando conta que o blog do Grupo de Pesquisas em Cibercidades (GPC) publicará, periodicamente, resenhas produzidas pelos integrantes do grupo.

O primeiro texto é assinado por Luiz Adolfo de Andrade e observa o livro “Cultura da Convergência”, de Henry Jenkins, que coordenada o Programa de Estudos de Mídia Comparada do Massachusets Instituct of Tecnology (MIT) e assina várias trabalhos que investigam a relação entre as midias e a cultura popular.

À medida que novos textos forem publicados, diponibilizarei neste espaço. Abaixo, trecho da resenha.

"Em Cultura da Convergência, Henry Jenkins, propõe um conceito para definir as transformações tecnológicas, mercadológicas, culturais e sociais percebidas no cenário contemporâneo dos meios de comunicação. O autor analisa o fluxo de conteúdo que perpassa múltiplos suportes e mercados midiáticos, considerando o comportamento migratório percebido no público, que oscila entre diversos suportes em busca de novas experiências de entretenimento. Jenkins fundamenta seu argumento em um tripé composto por três conceitos básicos: convergência midiática, inteligência coletiva e cultura participativa. Inteligência coletiva refere-se à nova forma de consumo, que tornou-se um processo conjunto e pode ser considerada uma nova fonte de poder. A expressão cultura participativa, por sua vez, serve para caracterizar o comportamento do consumidor midiático contemporâneo, cada vez mais distante da condição receptor passivo. São pessoas que interagem com um sistema complexo de regras, criado para ser dominado de forma coletiva. Por fim, a ideia de convergência proposta pelo autor não é pautada pelo determinismo tecnológico, mas fundamentada em uma perpectica culturalista. Neste sentido, ao longo das páginas, Jenkins vai articular três noções fundamentais de seu argmento: a convergência midiática como processo cultural e não tecnológico; o modelo da narrativa transmidiática como referencial da noção de convergência; o conceito de economia afetiva, que serve para pensar o comportamento de consumidores e produtores na contemporaneidade".

O texto completo da resenha você confere por aqui.

0 comentários: