13 de nov de 2010

Vai um guaraná Jesus aí?

O 8º Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores de Jornalismo (8º SBPJor), que se realizou esta semana, em São Luis, no Maranhão, foi particularmente proveitoso, tanto pelo que se fez e planejou ao longo do evento - sobre o quê falarei à medida que as novidades forem se consolidando - como pelo que se viu no entorno do congresso.

Refiro-me à um refrigerante chamado Guaraná Jesus, que é cor-de-rosa, tem gosto de groselha e só é vendida no Maranhão, até onde sei.

Reza a lenda que a dita gasosa possui essa graça não por questões de natureza, digamos, divina, mas porque Jesus era o nome do sujeito que desenvolveu a fórmula, um farmacêutico.

E que foi comprado,  o refrigerante, pela Coca-cola, muito provavelmente por sua importância no cenário local, o que não é, penso, algo para se comemorar, ainda que deva ter enchido as burras do tal homem de farmácia, caso contrário acho que não teria sido vendido.

O registro aí debaixo é de Raquel Longhi, feito com um iPhone em uma restaurante chamado Feijão de Corda, na orla de São Luis.

4 comentários:

Lua Rodrigues disse...

Que linda a embalagem!!

Guilherme Póvoas disse...

Não conheço o restaurante, mas feijão de corda é muito bom. E, quanto ao refrigerante, parece que depois que a Coca comprou a marca, ela começou a se chamar "Jesus" (conforme o idioma inglês).

Henrique disse...

Pior que dizem que o tal do Jesus era ateu, ainda por cima! Chegaste a ver a cor da guaraná? É rosa como a embalagem!

Cris Brum disse...

Restaurantes nordestinos em Brasília também têm essa bebida - que eu detestei, pra dizer a verdade. Mas parece que é produzido na Paraíba...
Enfim, um pouco de cultura inútil a compartilhar...
Abração!