17 de set de 2011

Um jornal-laboratório sete vezes premiado

Aos que, como eu, trabalham com jornalismo-laboratório em nível de graduação, sabem a importância que os prêmios têm para os produtos que desenvolvemos a cada novo semestre; processos nem sempre fáceis, por vezes tensos, permeados por dificuldades as mais diversas, sobretudo prazerosos e instrutivos sob muitos pontos de vista.

Escrevo isso pensando nos três prêmios que o jornal Unicom, do Curso de Comunicação Social da Unisc, recebeu esta semana, por ocasião do 24º SET da PUC, parte de um total de 14 distinções que curso em que trabalho e ajudo a coordenadar trouxe para casa, um recorde histórico em 16 anos de atividades.

O Unicom foi reconhecido com dois prêmios na categoria Projeto Gráfico Jornal  (7 Pecados e edição multitemática - empataram com eles mesmos!) e um terceiro na categoria  Publicação Impresa Jornal (7 Pecados).

Somados aos que têm recebido desde 2008, significa que o jornal-laboratório do Curso de Comunicação da Unisc foi premiado sete vezes até agora.

Não é pouca coisa.

Clique nas capas para ter acesso aos conteúdos e respectivos créditos das edições premiadas esta semama.

 

Significa que os alunos da disciplina de Produção em Mídia Impressa, que leciono na Unisc desde 2007, onde o Unicom é desenvolvido, fizeram jornais excepcionalmente bons, ao ponto de "paparem" três prêmios em uma única edição do SET?

Não tenho a menor dúvida disso, em particular porque, como disse, os jornais foram desenvolvidos na disciplina que leciono (sei, portanto, do que falo); o mesmo podendo ser dito em relação à participação de alunos das demais disciplinas e habilitações - técnicas de reportagem, opinativo, PP, RP etc. - que, a cada novo semestre, ajudam-no a dar forma e sentido ao Unicom, imprescindível e pelo que somos muito gratos.

Sim, tem tudo isso, mas também algo extremamente caro ao jornalismo, que se torna particularmente visível nessa edição tri-premiada: a idéia de que, em jornalismo, nada acontece por acaso, e nem de forma isolada.

O presente se constrói (também) no passado

Para compreendermos como o Unicom alcançou o patamar atual, é preciso retornarmos a 2007, quando da primeira versão do projeto gráfico atual.


Livre das exigências de produção em série (se não me engano, os cursos tinham de produzir seis edições por ano, para desespero de todos), professor e alunos, a partir das discussões realizadas em aula, puderem repensar todo o projeto gráfico e editorial de seu jornal, que serviu de base para as edições bissemestrais que surgiram desde então.

Como, infelizmente, não temos as edições em PDF, reproduzo o nome de quem fazia o Unicom por aqueles dias: Poliana Pasa (diagramação), as repórteres Carin Bräunig, Carina Weber, Daniela de Mello, Elstor Hansen, Felipe Faleiro, Mariane Selli, Poliana Pasa e Tiago Maurique.

O logo ficou aos cuidados de Samuel Heidemann, a capa foi de Giuseppe Fontanari e as ilustrações de Mariana Pelegrini, os três de PP.

Os primeiros prêmios

O Unicom viria a mudar novamente, e ganhar seus dois primeiros prêmios no SET da PUC no ano seguinte, em 2008, com as edições "Como você vê sua cidade"  (categoria projeto gráfico) e edição multitemática (categoria jornal impresso).

O projeto gráfico de então ficou aos cuidados de Gelson Santos Pereira.


Algumas edições depois, novo aprimoramento no projeto gráfico, dessa vez aos cuidados de Henrique Schrerer e Vanessa Kannenberg, e o Unicom novamente é premiado duas vezes no SET, agora em 2010, os dois prêmios - projeto gráfico e produto impresso-jornal - pela edição Hábitos.


Ou seja, trata-se de uma história recente, mas pontuada por muitos méritos e pelo trabalho de muitas e talentosas mãos, e que tem cultura, portanto.

São alunos que estão/estarão marcando a diferença para melhor no mercado de trabalho, e qualificando, também pelo que aprenderam com o Unicom, o jornalismo como um todo.

E isso, meus amigos, é bom demais.

4 comentários:

Ana Cláudia Schuh disse...

Profe!
O Unicom 7 Pecados que foi premiado como Publicação Impressa Jornal!

Demétrio de Azeredo Soster disse...

Valeu!

polianapasa disse...

Obrigada pela lembrança, Demétrio! Também vale lembrar da Revista Exceção, outra produção surgida numa disciplina tua e que ganhou alguns prêmios no SET. Abraço!

Demétrio de Azeredo Soster disse...

na verdade, a exceção ainda não recebeu o devido reconhecimento no SET da PUC, apesar das tentativas desde a primeira edição, que você participou também, diga-se. estamos chegando perto, em termos de premiação, via expocom: fomos finalistas no regional sul este ano. por miopia do juri (estava lá, sei do que estou falando) não fomos classificados para a etapa nacional. pena. mas estamos chegando perto. e trabalhando mais para isso. valeu!